Equipa

Organização e Estrutura

O projeto ‘Lista Vermelha da Flora Vascular de Portugal Continental’ é coordenado pela Sociedade Portuguesa de Botânica (SPBotânica) e pela Associação Portuguesa de Ciência da Vegetação – PHYTOS (PHYTOS), em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I.P. (ICNF), enquanto autoridade nacional para a conservação da natureza e da biodiversidade.

Apresenta-se abaixo o organograma do projeto:

Membros da Equipa 

Adelaide Clemente | Alexandre Silva | Américo Pereira | Ana Caperta | Ana Francisco | Ana Isabel Correia | Ana Júlia Pereira | Ana Maria Barata | Ana Zúquete | Anabela Amado | André Carapeto | Andreia Farrobo | António Xavier Pereira Coutinho | Carla Pinto Cruz | Carlos Aguiar | Carlos Neto | Carlos Pinto Gomes | Carlos Vila-Viçosa | Cassiano Monteiro | Catarina Meireles | Cristiana Vieira | Cristina Tauleigne Gomes | Dalila Espírito-Santo | David Draper | Duarte Frade | Duarte Silva | Duarte Victorino Marques | Ester Serrão | Estevão Portela-Pereira | Filipe Covelo | Francisco Areias | Francisco Barreto-Caldas | Francisco Clamote | Henrique Nepumoceno Alves | Isabel Marques | Ivo Rodrigues | Jael Palhas | Jan Jansen | Joana Magos Brehm | João Alves | João Farminhão | João Loureiro | João Neiva | João Paulo Fonseca | Joaquim Pessoa | Jorge Capelo | José Brites Monteiro | José Carlos Costa | José Luís Vitorino | José Manuel Rosa Pinto † | Luís Brás | Luísa Borges | Manuel João Pinto | Maria Cristina Duarte | Maria Manuela David | Mário Silva | Mauro Raposo | Miguel Porto | Pablo García Murillo | Patrícia Pinto da Silva | Patrícia Rodríguez González | Patrícia Tiago | Paula Canha | Paulo Alves | Paulo Eduardo Cardoso | Paulo Monteiro | Paulo Pereira | Paulo Silveira | Paulo Ventura Araújo | Pedro Arsénio | Pedro Ivo Arriegas | Ricardo Canas | Roberto Leite | Rosa Pinho | Rubim Almeida | Rute Caraça | Sara Lobo Dias | Sergio Chozas | Sílvia Castro | Sílvia Ribeiro | Sónia Malveiro | Susana Neves | Susana Tápia | Tiago Monteiro-Henriques | Udo Schwarzer | Vasco Silva

 

Colaboradores

Alexandra Lucas | Alexandre Freitas | Ana Cardoso | Ana Gonçalves | Ana Paula Rodrigues | Ana Teresa Matos | António Albuquerque | António Flor | António Rebelo | Arménio Matos | Brian Ottway | Bruno Cardoso | Bruno Moreira | Carla Marisa Quaresma | Carlos Franco | Carlos M. Silva | Carlos Pereira | Carlos Venade | Catarina Costa | Cecília Sérgio | César Garcia | Cristina Seabra Ferreira | Cristina Silva | Da Silva F. | Daniel Cardeira | Daniel Tyteca | David T. Holyoak | Dinis Cortes | Domingos Leitão | Eduardo Marabuto | Elizabete Marchante | Emilio Laguna | Fátima Sales | Francisco Areias | Francisco Pina Madeira | Hélder Lago | Helena Cotrim | Helena Serrano | Hélia Marchante | Horst Engels | Ilse Kistner | Inês Cunha | Isabel Marcellot | Isaías Ferreira | Joana Abreu | Joana Camejo | João Domingues Almeida | João Filipe Tolentino | João Lourenço | João Monjardino | João Pedro Silva | Johannes Ulrich Urban | Jorge Paiva | Jorge Simões | José Costa | José Eduardo Lemos | José Rodrigues | Lísia Lopes | Luís Zhang | Manuel M. Machado | Marco Jacinto | Margarida T. Santos | Maria Carvalho | Maria João Correia | Mário M. Ferreira | Marízia Pereira | Mata Machada Curso-2013 | Miguel Peixoto | Natália Pedro | Nelson Fonseca | Nuno Guiomar | Otília Correia | Patrick Lienert | Paulo Almeida | Paulo Lemos | Paulo Lopes | Paulo Lucas | Pedro Beja | Pedro Gomes | Pedro Mascarenhas | Pedro Ministro | Pedro Ribeiro | Ricardo Marques | Ries van Ool | Rosie Peddle | Rui Borralho | Rui Faria | Rui Miguel Félix | Sérgio Amorim | Sérgio Duarte | Sofia Saraiva | Valter Jacinto | Victor Alves | Xermán García Romai

 

Entidades Parceiras

O projeto ‘Lista Vermelha da Flora Vascular de Portugal Continental’ resulta de uma parceria entre a Sociedade Portuguesa de Botânica (SPBotânica), na qualidade de entidade beneficiária, a Associação Portuguesa de Ciência da Vegetação – PHYTOS (PHYTOS), na qualidade de parceira, e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I.P. (ICNF) na qualidade de parceiro e enquanto autoridade nacional para a conservação da natureza e da biodiversidade.

 

Sociedade Portuguesa de Botânica (SPBotânica)

Associação sem fins lucrativos fundada a 7 de janeiro de 2009, com o número de identificação de pessoa coletiva 508834376 e sede na Travessa do Jardim, n.º 3, A-dos-Potes, 2615-018 Alverca do Ribatejo, que tem como fins:

 

  1. Promover a conservação de espécies da flora e dos seus habitats;
  2. Divulgar e promover o conhecimento técnico e científico da botânica, da flora e da vegetação, em particular no território nacional;
  3. Promover a troca de informação e experiência entre botânicos, profissionais e amadores, independentemente da sua formação;
  4. Centralizar informação geográfica, morfológica, fotográfica, e ecológica da flora portuguesa e mediterrânica;
  5. Fomentar a aplicação do conhecimento científico na definição de medidas de gestão de habitats e de espécies;
  6. Promover ações de sensibilização para as questões relativas à flora e vegetação portuguesa, nas componentes de biodiversidade, conservação, ecologia, habitats, entre outros;
  7. Difundir o gosto pela botânica, flora e vegetação.

A associação está inscrita no Registo Nacional de Organizações não Governamentais de Ambiente e Equiparadas (RNOE) da Agência Portuguesa do Ambiente como ONGA sem âmbito com o número de registo 200/SA.

 

Associação Portuguesa de Ciência da Vegetação – PHYTOS (PHYTOS)

Associação científica sem fins lucrativos fundada a 25 de junho de 2015, com o número de identificação de pessoa coletiva 513584080 e sede na Rua Romão Ramalho, n.º 59 (DPAO-ECT), 7000-671 Évora, que tem como objetivos:

 

  1. Fomentar, facilitar, divulgar e coligir os trabalhos técnicos e/ou científicos sobre vegetação, em especial no território nacional;
  2. Promover o estudo de toda a biodiversidade fitocenótica, em especial no território nacional, com o intuito de suportar uma adequada utilização, gestão e conservação da mesma;
  3. Promover o estabelecimento de macro e micromodelos de vegetação, bioclimáticos, biogeográficos e funcionais precisos, que contenham informação relevante, capacidade de predição, sejam de fácil utilização prática e de interesse público;
  4. Procurar a harmonização entre as teorias e paradigmas das várias escolas que estudam a vegetação, estimulando o debate científico e progredindo em conhecimento epistemológico, no sentido de uma maior universalidade na sua utilização e ensino;
  5. Promover a realização de reuniões periódicas – Encontros de Geobotânica – para a exposição de trabalhos e comunicações que tratem do estudo da vegetação em todos os seus aspetos e atividades relacionadas, direta ou indiretamente, com este fim, como excursões geobotânicas e visitas de estudo científicas;
  6. Promover a edição de boletins e a prestação de serviços de informação bibliográfica e qualquer outro meio que sirva para estabelecer e manter um contacto entre todos os que estejam interessados no desenvolvimento da Geobotânica, assim como a organização de conferências e cursos para a difusão de tudo o que esteja relacionado com um melhor conhecimento da metodologia geobotânica e das suas aplicações;
  7. Promover a criação de Comissões Delegadas e de Grupos de Trabalho para o tratamento de temas concretos e facilitar a colaboração entre associados, comissões e grupos de trabalho com outros organismos análogos;
  8. Procurar o estabelecimento de relações com outros organismos afins (dedicados à Ciência da Vegetação, Fitossociologia, Geobotânica, etc.), tanto em Portugal como no estrangeiro, podendo a PHYTOS filiar-se ou associar-se a esses organismos;
  9. A PHYTOS poderá patrocinar publicações científicas.

 

Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I.P. (ICNF)

Instituto Público integrado na administração indireta do Estado e dotado de autonomia administrativa e financeira e património próprio, com o número de identificação de pessoa coletiva 510342647 e sede na Avenida da República, 16 a 16B, 1050-191 Lisboa, que é a autoridade nacional de conservação da natureza e da biodiversidade.

Tem por missão propor, acompanhar e assegurar a execução das políticas de conservação da natureza e das florestas, visando a conservação, a utilização sustentável, a valorização, a fruição e o reconhecimento público do património natural, promovendo o desenvolvimento sustentável dos espaços florestais e dos recursos associados, fomentar a competitividade das fileiras florestais, assegurar a prevenção estrutural no quadro do planeamento e atuação concertadas no domínio da defesa da floresta e dos recursos cinegéticos e aquícolas das águas interiores e outros diretamente associados à floresta e às atividades silvícolas.

 

Colaboradores Institucionais

 

Herbários e Bancos de Germoplasma

Herbário da Estação Agronómica Nacional (LISE) do INIAV

Herbário da Estação Nacional de Melhoramento de Plantas (ELVE) do INIAV

Herbário do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária – INIAV (LISFA)

Banco Português de Germoplasma Vegetal (BPGV) do INIAV

 

Herbário do Instituto Politécnico de Bragança (BRESA)

 

Herbário João de Carvalho e Vasconcellos do Instituto Superior de Agronomia (LISI)

Banco de Sementes Prof. João do Amaral Franco do Instituto Superior de Agronomia

 

Herbário do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto (PO)

 

Herbário do Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa (LISU)

Banco de Sementes A.L. Belo Correia do Museu Nacional de História Natural e da Ciência

 

Herbário da Universidade do Algarve (ALGU)

Herbário da Universidade de Aveiro (AVE)

 

Herbário da Universidade de Évora (UEVH)

 

Herbário da Universidade de Coimbra (COI)

 

 

Outras Instituições

Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra (CFE-UC)

 

Centro de Interpretação da Serra da Estrela (CISE) do Município de Seia

Financiamento:
Coordenação:      Parceria:  Cofinanciamento: